1405
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Centro de tratamento de queimados: perfil epidemiológico de crianças internadas em um hospital escola

Burn treatment center: epidemiology profile of children hospitalized in the teaching hospital

Letícia Toschi Dias Dassie1; Egle de Oliveira N. Moreira Alves2

RESUMO

Objetivo: Caracterizar o perfil epidemiológico da populaçao pediátrica internada no Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Universitário da Universidade Estadual de Londrina (CTQ/HU/UEL). Método: Estudo transversal, retrospectivo, por meio de análise dos prontuários de crianças internadas no CTQ/HU/UEL, no período de agosto de 2007 até maio de 2010, com idade de 0 a 12 anos. Para a coleta de dados foram analisados dados de identificaçao, causa, classificaçao da queimadura, regiao do corpo atingida, realizaçao de procedimento cirúrgico, tempo de internaçao e atuaçao da fisioterapia. Para a análise dos dados foi utilizado o programa BioEstat 5.0 e os resultados descritos por meio de médias, desvio padrao, medianas, proporçoes e distribuiçoes de frequências. Resultados: Foram analisados 145 prontuários e a média de idade encontrada foi de 4,54 ± 3,41 anos, sendo que a maioria das crianças (N=89; 61,38%) era do gênero masculino. Em relaçao à procedência, 64% das crianças vieram do Norte do Paraná. Houve predomínio de queimadura causada por agente térmico (N=141; 97,24%); profundidade de 2º grau (N=91; 62,76%); acometimento corporal em tronco (N=85; 19,68%), membros superiores (N=76; 17,59%) e cabeça (N=66; 15,28%) e a média da superfície corporal queimada foi de 15%. A média de dias de internaçao foi de 16,32 dias, com procedimentos cirúrgicos em 84,83% dos casos e alta hospitalar em 95,17%. Sessenta e nove (47,59%) crianças receberam atendimento fisioterápico. Conclusoes: Os resultados obtidos auxiliam no conhecimento epidemiológico da populaçao atendida pelo CTQ/HU/UEL e reforçam a importância de políticas preventivas que visem à diminuiçao da incidência de queimadura na infância.

Palavras-chave: Queimaduras. Criança. Unidades de Queimados. Fisioterapia.

ABSTRACT

Objective: To characterize the epidemiological profile of pediatric patients admitted to the Burn Treatment Center, University Hospital of Londrina State University (CTQ/HU/UEL). Methods: Study transversal, retrospective, through review of medical records of children admitted to the CTQ / HU / UEL from August 2007 to May 2010, with age 0-12 years. To collect the data were analyzed identification data, causes, classification of burns, injured body region, surgical procedures, hospitalization and intensive physical therapy. For the analysis of data was used BioEstat 5.0 and the results described as mean, standard deviation, medians, proportions and frequency distributions. Results: We analyzed 145 medical records and the mean age was 4.54 ± 3.41 years, and most children were male 89 (61.38%). In relation to the origin 64% came from North of Paraná. There was a predominance of burn caused by thermal agent (N=141; 97.24%), deep 2nd degree (N=91; 62.76%); body involvement in the chest (N=85; 19.68%), arm (N=76; 17.59%), head (N=66; 15.28%) and the estimation of area of burn was 15%. The mean days hospitalized was 16.32 days, with surgical procedures in 84.83% and 95.17% at hospital discharge. Sixty-nine (47.59%) children received physiotherapy treatment. Conclusions: The results provide knowledge on the epidemiology of population served by the CTQ/HU/UEL and reinforce the importance of preventive policies aimed at reducing the incidence of burns in childhood.

Keywords: Burns. Child. Burn Units. Physical Therapy.

Queimadura é definida como lesao, geralmente restrita à pele, decorrente da aplicaçao de calor ao corpo, variando de importância e gravidade, dependendo do agente causador. Podem ser classificadas de acordo com o tipo de agente causador como térmicas químicas ou elétricas, ou quanto à profundidade desta lesao, podendo ser de primeiro, segundo ou terceiro grau1.

Para calcular a porcentagem da superfície corporal queimada, utiliza-se o mais apurado método que leva em consideraçao as proporçoes do corpo em relaçao à idade, o diagrama de Lund Browder2,3. Algumas regioes nas crianças podem corresponder a uma área proporcional maior comparada ao adulto, como a cabeça. Esta tabela auxilia numa visao global do paciente, levando em conta a porcentagem correspondente à lesao de 2° grau, de 3° grau e à porcentagem total de superfície corporal atingida2,3.

A incidência de pessoas que sofrem queimaduras é muito alta, tornando este acometimento um problema de saúde pública. Novos avanços na Medicina melhoraram o prognóstico e a capacidade funcional das vítimas, além da diminuiçao significativa na mortalidade4.

A equipe multiprofissional deve estar preparada para o tratamento deste paciente durante o processo de internaçao, pois toda agressao pode causar danos físicos e psicológicos à vítima e a queimadura nao é diferente5,6.

As repercussoes da queimadura na populaçao pediátrica sao mais intensas, pois envolvem aspectos relacionados ao crescimento (aumento de massa corporal) e ao desenvolvimento (capacidade de aprendizagem e de desenvolver atividades cada vez mais complexas), podendo levar à desnutriçao e à regressao dos estágios de desenvolvimento7.

As crianças se constituem em um grupo de pacientes diferenciados, uma vez que representam dois terços do total das queimaduras na populaçao em geral, apresentam epidemiologia própria em relaçao aos adultos, fisiologia, respostas imune e inflamatória específica e cuidados especiais em relaçao ao tratamento e à reintegraçao ao convívio social7.

As queimaduras constituem uma causa importante de trauma em todos os países, independentemente de seu grau de desenvolvimento. Aproximadamente 90% ocorrem nos países em desenvolvimento, sendo a maioria em crianças da faixa etária entre o nascimento e 4 anos. No Brasil, ainda nao existe uma estatística nacional que reflita a real incidência de queimaduras em crianças, mas estudos isolados em algumas unidades de queimados corroboram os dados citados anteriormente7.

Para oferecer atendimento especializado à populaçao vítima de queimadura, foi criado em agosto de 2007 na cidade de Londrina (Paraná), o Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Universitário da Universidade Estadual de Londrina (CTQ/HU/ UEL), terceiro no do sul do País e o segundo do estado do Paraná.

Nestes centros, a atuaçao dos fisioterapeutas é muito importante, mas apesar dos avanços conquistados nos últimos anos, na literatura, poucos estudos abordam a fisioterapia durante o processo de hospitalizaçao do paciente queimado. Estes dados sao ainda mais escassos com relaçao ao atendimento à criança.

As informaçoes levantadas a partir do perfil epidemiológico desses pacientes contribuem para eficácia do tratamento na fase aguda e na reabilitaçao, para medidas educativas de prevençao e constituem base para futuras pesquisas na área de fisioterapia na queimadura infantil.

Sendo assim, o objetivo deste estudo foi traçar perfil epidemiológico da populaçao pediátrica internada no CTQ/HU/UEL.


MÉTODO

Foi realizado estudo transversal, retrospectivo, por meio de análise dos prontuários de crianças internadas no CTQ/HU/UEL, no período de agosto de 2007 até maio de 2010, com idade de zero a doze anos, previamente selecionados pela Estatística do Serviço de Arquivo Médico do HU (SAME/HU).

As informaçoes foram transcritas para uma ficha elaborada previamente para o estudo, constando informaçoes como: dados de identificaçao (nome, idade, gênero, procedência, data de internaçao, data de alta hospitalar ou do óbito); classificaçao da queimadura (agente causador, profundidade e superfície corporal queimada); local em que estava quando ocorreu a queimadura; regiao do corpo atingida; realizaçao ou nao de procedimento cirúrgico e realizaçao de fisioterapia durante o período de internaçao.

Foram excluídos do estudo os prontuários que nao tinham todas as informaçoes necessárias para o preenchimento da ficha de coleta dos dados.

Para a análise estatística foi utilizado o programa BioEstat 5.0, sendo que os resultados foram descritos por meio de médias, desvio padrao, medianas, proporçoes e distribuiçoes de frequências, absoluta e relativa.

O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do HU/UEL, de acordo com a Resoluçao 196/96 - CNS (Parecer nº 078/10).


RESULTADOS

Foram analisados 145 prontuários e a média de idade encontrada foi de 4,54 ± 3,41 anos. A maioria das crianças era do gênero masculino (N=89; 61,38%), e 56 (38,62%) do feminino.

Para a análise da procedência das vítimas, foi empregada a classificaçao das cidades em regioes do Estado do Paraná. A maioria das vítimas veio da Regiao Norte Paranaense (63,44%), seguida da Regiao Oeste (21,38%), Regiao Central (11,04%), Regiao Sul (2,76%) e de outros Estados (Sao Paulo e Mato Grosso do Sul) (1,38%) (Figura 1).


Figura 1 - Procedência das crianças internadas no CTQ/HU/UEL, no período de agosto de 2007 a maio de 2010.



Em relaçao ao tipo de queimadura quanto ao agente causador, 141 (97,24%) crianças foram vítimas de queimadura térmica, 2 (1,38%) elétrica e 2 (1,38%) química. A média da superfície corporal queimada foi de 15%, e em relaçao à profundidade da queimadura nenhuma criança foi internada por queimadura de 1° grau. Noventa e uma (62,76%) crianças foram internadas por queimadura de 2° grau, 8 (5,52%) por queimadura de 3° grau, 13 (8,97%) com queimaduras de 1° e 2° grau associadas e 33 (22,75%) com queimadura de 2° e 3° grau (Tabela 1).




Quanto ao local aonde ocorreu a queimadura, a residência foi o mais referenciado, com 75 (51,72%) dos casos, 14 (9,66%) ocorreram em outros lugares e 56 (38,62%) casos nao tinham especificaçao do local nos prontuários.

A incidência de queimadura em apenas uma regiao do corpo é rara em crianças, geralmente, várias áreas sao acometidas durante o trauma. Neste estudo, as regioes mais acometidas foram: tronco (N=85; 19,68%), membros superiores (N=76; 17,59%), regiao da cabeça (N=66; 15,28%), membros inferiores (N=61; 14,12%), mao (N=42; 9,72%), pescoço (N=36; 8,33%), abdome (N=33; 7,64%), pé (N=16; 3,70%), genital (N=14; 3,24%) e vias aéreas (N=3; 0,69%).

A média do período de internaçao foi de 16,32 ± 18,97 dias, com a presença de 7 (4,83%) óbitos e 138 (95,17%) altas hospitalares. Na maioria dos casos (N= 123; 84,83%), houve a necessidade de procedimento cirúrgico.

A atuaçao da equipe de Fisioterapia ocorreu em quase metade dos casos (N=69; 47,59%).


DISCUSSAO

O predomínio da incidência de queimadura no gênero masculino encontrado a partir da análise dos resultados em nosso estudo também é mostrado em outros trabalhos8-12, uma justificativa para tal pode estar relacionada ao comportamento diferenciado dos meninos em relaçao às meninas, que sao menos cautelosos e também a fatores culturais.

Considerando a média de idade encontrada, podemos relacionar esta fase com o desenvolvimento infantil próprio deste período, momento em que a criança explora e interage com o meio em que vive, porém a curiosidade e a imaturidade podem coloca-lás em risco, fazendo com que sejam suscetíveis a injúrias que podem ocorrer, principalmente, no ambiente doméstico, por falta de supervisao adequada pelos adultos11.

Ainda com relaçao à idade, de modo geral, crianças menores sofrem mais queimaduras, afogamentos, quedas e intoxicaçoes; as maiores sofrem mais atropelamentos e quedas de bicicletas11.

O CTQ/HU/UEL é uma referência de atendimento especializado no país, atendendo tanto adultos quanto crianças vítimas de queimadura. Como se trata de centro de referência, sao encaminhados pacientes de vários locais para receberem tratamento adequado, como foi mostrado neste estudo. A maioria das vítimas hospitalizadas procedeu da regiao do Norte do Paraná, local em que está localizado o CTQ.

O tipo de queimadura mais frequente na populaçao estudada foi a térmica, dado também mostrado em outros estudos referentes a esta faixa etária8,9,11,12. A alta prevalência de escaldamento na queimadura de origem térmica deste estudo, também referendada por outros autores13,14, é de suma importância para açoes preventivas.

É comum existir vários tipos de profundidade na queimadura associados, como também foi constatado em nosso estudo, a maioria dos internamentos foi por queimadura de 2° grau, seguida pelo 2° e 3° grau associados. Um estudo realizado em Londrina (PR), no ano de 2001, com menores de 15 anos de idade, atendidos nos serviços de emergência e internaçao, com um total de 182 casos, revelou que 158 (86,8%) foram atendidos e liberados no pronto-socorro, enquanto 12,6% necessitaram de internaçao11. A explicaçao para esta divergência de resultados poderia ser o fato de que a coleta de dados para o estudo ocorreu dentro de uma unidade específica para o tratamento de vítimas de queimaduras.

A regiao corporal mais atingida foi o tronco, membros superiores e cabeça. Este dado pode ser relacionado com a posiçao da criança frente ao agente causador. Normalmente, a criança nesta fase é muito curiosa e utiliza as maos para pegar objetos e explorá-los, puxando estes para si, como uma panela quente que está localizada em cima do fogao, fazendo com que as áreas mais expostas sejam a face, os membros superiores e o tronco11. Dentre as situaçoes que oferecem maiores riscos para acidentes por queimaduras em crianças estao: manipulaçao de líquidos superaquecidos, produtos químicos e/ou inflamáveis, metais aquecidos, uso de fogoes improvisados na presença de crianças, manipulaçao de panelas no fogao, cabo de panela para fora do fogao, tomadas elétricas, bombas festivas e fios desencapados ao alcance de crianças15.

Vários estudos apontam o ambiente doméstico como o local em que mais acontecem acidentes do tipo queimadura, uma vez que é ambiente que oferece vários riscos para acidentes, principalmente a cozinha8,11. Além disso, a literatura destaca que sao provocadas por derramamento de líquidos quentes sobre o corpo15, o que talvez justifique as áreas corporais mais atingidas: tronco, membros superiores e cabeça. Também foi observado este dado no presente estudo, sendo que em pouco mais da metade dos casos as crianças estavam no domicílio no momento da queimadura. Este número poderia ser mais alto, porém, durante a análise dos prontuários, muitos nao continham esta informaçao especificada. Na anamnese, é importante conter este dado para que se possa identificar os possíveis fatores de risco ambientais e possibilitar a adoçao de medidas preventivas.

A média de dias de internaçao de 16,32 ± 18,97 dias é compatível com outro estudo realizado em nosso país, envolvendo queimaduras de 2º grau e de 2º e 3º associados, onde a média de tempo de internaçao foi de 10 a 20 dias15.

Os procedimentos que auxiliam no processo de re-epitelizaçao, como desbridamentos e enxertos, sao comuns nas queimaduras de maior gravidade16. A prevalência de procedimento cirúrgico neste estudo foi alta (N= 123; 84,83%). Como o CTQ/HU/UEL é um centro especializado, este tipo de procedimento aparece com maior frequência.

O atendimento da fisioterapia foi realizado em menos da metade dos casos (47,59%). Deve-se considerar o tipo de queimadura e suas consequências clínicas imediatas e a curto/médio prazo, principalmente dor, complicaçoes locais e sistêmicas, hipermetabolismo e cuidados no pós-operatório imediato de enxertos. Durante a fase inicial do tratamento, algumas crianças apresentam complicaçoes pulmonares e das vias aéres superiores por inalaçao durante o acidente e outras um pouco mais tardiamente, devido a sepsis e/ou pneumonia. Os principais objetivos da fisioterapia na fase hospitalar devem incluir: prevençao de complicaçoes pulmonares e contraturas, preservaçao ao máximo da mobilidade e funçao, favorecimento do retorno precoce às atividades de vida diária e facilitaçao da reintegraçao no âmbito familiar e social16.


CONCLUSAO

A partir deste estudo, verifica-se que a incidência de queimadura em crianças de 0 a 12 anos de idade internadas no CTQ/HU/ UEL é alta, devido à gravidade da lesao e das complicaçoes que podem ser relacionadas ao caso. Por isso, uma correta avaliaçao do quadro clínico é de suma importância para que o atendimento multiprofissional seja incluído à medida que as condiçoes clínicas permitam sua indicaçao. Incluir na anamnese o local do acidente e as formas de queimadura térmica pode favorecer a promoçao de políticas preventivas.

No que se refere à atuaçao da fisioterapeuta dentro do processo de atendimento hospitalar, este artigo demonstra a necessidade de realizaçao de mais estudos que demonstrem a importância da fisioterapia, principalmente na prevençao de futuras incapacidades funcionais e complicaçoes que podem estar relacionadas ao quadro agudo, apresentando os objetivos e recursos utilizados, bem como os benefícios que podem ser trazidos para a populaçao infantil.


REFERENCIAS

1. Sampaio SAP, Rivitti EA. Dermatologia. 2ª ed. Sao Paulo:Artes Médicas; 2001. p.624.

2. Maciel E, Serra MC. Tratado de queimadura. 1ª ed. Sao Paulo:Atheneu; 2006. p.46-7.

3. Vale ECS. Primeiro atendimento em queimaduras: a abordagem do dermatologista. An Bras Dermatol. 2005;80(1):9-19.

4. Herrin JT, Antoon AY. Lesoes por queimadura. In: Nelson WE, Dehrman RE, Klihgman RM, Arvin AM, eds. Tratado de Pediatria. 14ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan;1992. p.314-2.

5. Rossi LA, Camargo C, Santos CMNM, Barruffin RCP, Carvalho EC. Dor da queimadura: terrível para quem sente, estressante para quem cuida. Rev Latino-am Enfermagem. (Ribeirao Preto) 2000;8(3):18-26.

6. Carlucci VDS, Rossi LA, Ficher AMFT, Ferreira E, Carvalho EC. A experiência da queimadura na perspectiva do paciente. Rev Esc Enferm USP. 2007;41(1):21-8.

7. Pereima MJL. Particularidades das queimaduras em crianças. Disponível em http.//www.liat.ufsc/arqivo1.pdf. Acesso em: 27/8/2010.

8. Costa DM, Abrantes MM, Lamounier JA, Lemos ATO. Estudo descritivo de queimaduras em crianças e adolescentes. J Pediatr. 1999;75(3):181-6.

9. Gaspar VLV, Lamounier JA, Cunha FM, Gaspar JC. Fatores relacionados a hospitalizaçoes por injúrias em crianças e adolescentes. J Pediatr. 2004;80(6):447-52.

10. Camargo CL, Sampaio AL, Xavier EA, Santos LT. Lesoes por queimaduras: o reflexo da violência em crianças e adolescentes. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2002;12(2):52-8.

11. Martins CBG, Andrade SM. Queimaduras em crianças e adolescentes: análise da morbidade hospitalar e mortalidade. Acta Paul Enferm. 2007;20(4):464-9.

12. Coutinho BBA, Balbuena MB, Anbar RA, Anbar RA, Almeida KG, Almeida PYNG. Perfil epidemiológico de pacientes internados na enfermaria de queimados da Associaçao Beneficente de Campo Grande Santa Casa/ MS. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(2):50-3.

13. Barnsley GP, Barnsley SE. Rate of pediatric tap water scald injuries in eastern Ontario. Can J Past Surg. 2007;15(1):33-7.

14. Guzel A, Aksu B, Aylanç H, Duran R, Karasalihoglu S. Scalds in pediatric emergency department: a 5-year experience. J Burn Care Res. 2009;30(3):450-6.

15. Oliveira FPS, Ferreira EAP, Carmona SS. Crianças e adolescentes vítimas de queimaduras: caracterizaçao de situaçoes de risco ao desenvolvimento. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2009;19(1):19-34.

16. Fabia R, Groner JI. Advances in the care of children with burns. Adv Pediatr. 2009;56:219-48.










1. Graduanda do Curso de Fisioterapia da Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, Brasil.
2. Fisioterapeuta, Mestre em Medicina e Ciências da Saúde, Docente do Departamento de Fisioterapia da Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, Brasil.

Correspondência:
Leticia Toschi Dias Dassie
Universidade Estadual de Londrina
Rodovia Celso Garcia - Pr 445 Km 380 - Campus Universitário
Londrina, PR, Brasil - CEP 86051-990 - Caixa Postal 6001
E-mail: leticiatoschi@hotmail.com

Recebido em: 5/9/2010
Aceito em: 18/12/2010

Trabalho realizado no Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Universitário da Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, Brasil.

© 2021 Todos os Direitos Reservados