937
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Curativo de pressão negativa associado à matriz de regeneração dérmica: análise da pega e do tempo de maturação

Negative-pressure wound therapy associated dermal matrix regeneration: take and maturation time analisys

Maria Elisa da Silva Oliveira1; Felippe Flausino Soares2; Rodrigo Feijó3; Maurício José Lopes Pereima4

RESUMO

OBJETIVO: Avaliar os resultados obtidos com a utilizaçao do curativo de pressao negativa (CPN) associado à matriz de regeneraçao dérmica (MRD) para cobertura cutânea em pacientes pediátricos.
MÉTODO: Trata-se de um estudo retrospectivo de delineamento transversal que avaliou os prontuários de todas as crianças submetidas à aplicaçao de MRD associada com CPN, no período de janeiro de 2009 a dezembro de 2013, totalizando 59 pacientes.
RESULTADOS: A maioria dos pacientes é pré-púbere (32,2%) do sexo masculino (62,7%). As principais indicaçoes foram queimadura (25,4%), sequela de queimadura (23,7%) e trauma (20,3%). Observou-se 23,7% de complicaçoes, entre elas hematoma, infecçao, perda total do implante e deslocamento da lâmina de silicone. A porcentagem de pega total da MRD foi de 83,1%, com média de tempo de maturaçao de 14,57 dias. Foram realizadas, em média, 2,35 trocas de curativo e 100% dos casos resultaram em enxerto.
CONCLUSOES: CPN associado à MRD oferece maior taxa de sucesso no tratamento de feridas complexas, promove aumento da pega da MRD, reduz o tempo de maturaçao da MRD, diminui o número de troca de curativos e oferece um retorno mais rápido às atividades diárias.

Palavras-chave: Queimaduras. Transplante de Pele. Pele Artificial. Tratamento de Ferimentos com Pressão Negativa. Criança.

ABSTRACT

PURPOSE: To evaluate the results obtained from the use of Negative-pressure wound therapy (NPWT) associated with Dermal matrix regeneration (DMR) for skin coverage in pediatric patients.
METHOD: This was a retrospective crosssectional study that evaluated the medical records of all children undergoing application of DMR associated with NPWT, from January 2009 to December 2013, totaling 59 patients.
RESULTS: Most patients were pre-pubertal (32.2%) and male (62.7%). The main indications were burning (25.4%), burn sequel (23.7%) and trauma (20.3%). There were 23.7% complications, including hematoma, infection, implant loss and the total displacement of the blade of silicon. The percentage of the total take of DMR was 83.1% with an average maturity time of 14.57 days. 2.35 dressing changes and resulted in 100% cases graft was performed on average.
CONCLUSION: The NPWT associated with DMR provides higher success rate in the treatment of complex wounds, promotes increased take of DMR, reduces maturation time of DMR, reduces the number of dressing changes and offers a faster return to daily activities.

Keywords: Burns. Skin Transplantation. Skin, Artificial. Negative-Pressure Wound Therapy. Child.

INTRODUÇAO

O trauma pediátrico é uma preocupaçao crescente em saúde pública. O Relatório Europeu sobre Prevençao de Lesoes em Criança afirma que os principais mecanismos de lesao nao intencional na criança incluem acidentes de trânsito, lesoes térmicas e quedas1.

A maioria das lesoes de partes moles em crianças possui uma significativa morbidade, incluindo trocas frequentes de curativos, ansiedade por parte do paciente e dos familiares em relaçao à dor, longo tempo de internaçao hospitalar e um potencial para a realizaçao de diversos procedimentos cirúrgicos durante o tratamento2.

Os ferimentos sempre fizeram parte do dia-a-dia dos seres humanos e diversos agentes como extratos de plantas, água, neve, gelo, frutas, lama já foram utilizados em seu tratamento. Os egípcios, ao estudar a cicatrizaçao, perceberam que as feridas cicatrizavam mais rapidamente quando fechadas e passaram a utilizar tiras de pano para manterem unidas as bordas do ferimento3.

O curativo é definido como um meio terapêutico que consiste na limpeza e aplicaçao de material sobre uma ferida com objetivo de favorecer o processo de cicatrizaçao, protegê-la contra agressoes externas, absorçao e drenagem de exsudatos, com intuito de melhorar as condiçoes do leito dessa ferida, mantendo-a úmida e preservando a integridade de sua regiao periférica4. O curativo pode ser, em algumas ocasioes, o próprio tratamento definitivo; em outras, apenas uma etapa intermediária para o tratamento cirúrgico. O tratamento das feridas cutâneas é dinâmico e depende, a cada momento, da evoluçao das fases de cicatrizaçao5,6.

Fatores intrínsecos e extrínsecos influenciam no tratamento das feridas cutâneas. Atualmente, sao inúmeras as opçoes de curativos existentes no mercado. Os recursos financeiros do paciente e/ou da unidade de saúde, a necessidade de continuidade da utilizaçao do curativo, a avaliaçao de benefícios sao alguns dos aspectos a serem considerados no momento da escolha do tipo de curativo, que devem ser adequados à natureza, à localizaçao e ao tamanho da ferida6.

Há diversos tipos de curativos disponíveis, desde os curativos com sulfadiazina de prata, pomada enzimática (colagenase), ácidos graxos essenciais, passando para os novos curativos especiais - que sao desenvolvidos com propostas bem definidas, por exemplo, hidrocoloides, hidrogel, alginato de cálcio, carvao ativado, adesivo de hidropolímero, curativo de pressao negativa6.

Visando proteger e acelerar o processo de cicatrizaçao, em 1997 Argenta e Morykwas7,8 compararam os curativos de pressao negativa (CPN) com gazes embebidas em soluçao salina no tratamento de úlceras produzidas em animais e concluíram que a pressao negativa sobre estas lesoes era muito superior aos curativos comparados no trabalho. Era visível a formaçao do tecido de granulaçao no leito da lesao enquanto um aumento local do fluxo sanguíneo também era evidenciado9.

O mecanismo do CPN consiste na aplicaçao de uma esponja estéril na cavidade da ferida, seguida pela instalaçao de um envoltório plástico adesivo sobre a esponja, que gera um sistema selado onde entao é aplicada uma pressao subatmosférica através de um tubo rígido conectado a um aspirador. Utiliza-se uma pressao entre 5 e 125 mmHg, de forma contínua ou em ciclos, e o fluido aspirado é coletado em um recipiente com controle de volume10.

Com a pressao negativa sendo aplicada sobre a ferida, atingese uma remoçao macroscópica do fluido intersticial11, gerando reduçao no turgor tecidual, fazendo com que a sobrecarga venosa diminua. Dessa forma, ao gerar um aumento no fluxo sanguíneo local, melhora a perfusao da ferida8.

Com o incremento da vasculatura e oxigenaçao local, reduz-se a colonizaçao por organismos anaeróbios7. Morykwas & Argenta8 demonstraram uma diminuiçao da colonizaçao bacteriana em tecido porcino infectado em relaçao aos ferimentos do grupo controle e posteriormente comprovaram esta teoria em humanos. A orientaçao do CPN permite aplicar uma força uniforme na superfície da ferida e gera também uma força centrípeta, que aproxima os bordos da ferida, reduzindo seu tamanho. Além de contrair e estabilizar a lesao, o CPN, ao provocar microdeformaçoes na superfície da ferida, induz proliferaçao celular e estimula a angiogênese, promovendo a liberaçao de mediadores, acarretando em aceleraçao da velocidade de cicatrizaçao da lesao8,12,13.

Ao favorecer a estimulaçao da neovascularizaçao, a retraçao da ferida, a remoçao contínua de exsudato e reduçao do edema intersticial, o uso do CPN leva a uma diminuiçao do tempo de permanência hospitalar, sendo este um aspecto importante ao lidar com pacientes pediátricos, pois o retorno às atividades rotineiras pode melhorar o bem-estar tanto do paciente como dos membros da família14,15.

Frequentemente, na literatura o CPN é citado como uma excelente alternativa para o tratamento de feridas e tem sido indicado para uma variedade de lesoes que incluem feridas agudas, como traumas ortopédicos, lesoes abdominais, queimaduras, lesoes extensas de partes moles, ressecçoes cirúrgicas, feridas isquêmicas, e feridas crônicas, como escaras, infecçoes e deiscência de feridas operatórias entre outras2,15-22.

Buscando melhorar o resultado estético e funcional, e diminuir as complicaçoes, a terapia de pressao negativa tem sido utilizada em associaçao com matriz de regeneraçao dérmica (MRD), pelo fato de estimular a angiogênese local e acelerar a maturaçao da matriz22 .

A MRD é um substituto cutâneo sintético que combina uma matriz colágena (substituto dérmico) a uma camada externa de silicone (substituto epidérmico), desenvolvido para promover cobertura e regeneraçao cutânea em feridas com grandes defeitos da pele. A matriz colágena é incorporada ao ferimento e, após a maturaçao da matriz, a camada de silicone é removida e substituída por um autoenxerto de pele23,24.

Estudos com o CPN vêm demonstrando que ele melhora a vascularizaçao, reduz o edema e as taxas de infecçao, aumenta a velocidade do fechamento da ferida e otimiza a pega do enxerto de pele por aumentar seu contato com o leito da lesao, com consequente reduçao da morbidade e do tempo de internaçao hospitalar23,25.

Além de ser uma ferramenta eficaz para se atingir as propriedades de adesao desejadas em lesoes de localizaçao complicada26, o CPN associado à MRD merece uma indicaçao muito mais relevante em pacientes pediátricos, pois estes sao um grupo de maior risco para a perda do implante de MRD, já que nao podem compreender e obedecer às instruçoes direcionadas à proteçao do implante27.

Objetivos

Objetivo geral


Avaliar os resultados obtidos com a utilizaçao do curativo sob pressao negativa associado à matriz de regeneraçao dérmica para cobertura cutânea em pacientes internados no Hospital Infantil Joana de Gusmao, em Florianópolis, SC.

Objetivos específicos

  • Descrever as características sociodemográficas da populaçao em estudo.
  • Avaliar as indicaçoes de uso da MRD associada ao CPN
  • Estimar a prevalência de complicaçoes com o uso do curativo de pressao negativa
  • Identificar o tempo de maturaçao e a porcentagem de pega da MRD
  • Descrever o número de trocas do CPN
  • Determinar se há associaçao entre tempo de maturaçao e o número de trocas do curativo
  • Relatar o resultado final obtido da associaçao do CPN com MRD


  • MÉTODO

    Desenho do estudo


    Estudo retrospectivo de delineamento transversal com caráter analítico.

    Local do estudo

    Esse estudo foi desenvolvido na Unidade de Queimados do Hospital Infantil Joana de Gusmao, localizado em Florianópolis, estado de Santa Catarina, associado à Secretária Estadual da Saúde, com uma área de 22.000 m2 e dividido nas unidades de internaçao: A (Adolescente e Apartamento), B, C, D, E, HDC, Berçário, Emergência Interna, Isolamento, Oncologia, Ortopedia, Queimados, UTI Geral e UTI Neonatal28.

    Participantes

    Populaçao em estudo


    Prontuários dos pacientes tratados com o curativo de pressao negativa associado à matriz de regeneraçao dérmica no Hospital Infantil Joana de Gusmao no período de 1 de janeiro 2009 a 31 de dezembro de 2013, independentemente da etiologia e classificaçao do ferimento. Foi realizado, portanto, um censo, com número total de 59 prontuários.

    Critérios de inclusao e exclusao

    Foram incluídos no presente estudo os pacientes que utilizaram o curativo de pressao negativa associado à matriz de regeneraçao dérmica para tratamento de feridas agudas e crônicas que nao responderam ao tratamento convencional.

    Coleta de dados

    Procedimentos


    Este estudo foi desenvolvido a partir de uma linha de pesquisa realizada desde janeiro de 2009, com continuidade da casuística até dezembro de 2013.

    O acesso aos prontuários foi viabilizado pelo Serviço de Arquivo Médico e Estatístico (SAME) do HIJG, onde ficam registrados os prontuários dos pacientes atendidos neste hospital. A coleta de dados apenas foi realizada mediante aprovaçao prévia do Comitê de Ética do HIJG.

    Análise estatística

    As informaçoes obtidas pelo instrumento de coleta de dados foram inseridas em um banco de dados, desenvolvido em meio eletrônico - programa Microsoft Excel. Após, foram exportados para o programa SPSS 16.0 (Statistical Package for the Social Sciences. Version 16.0. [Computer Program]. Chicago: SPSS Inc.; 2008), no qual foram analisados.

    As variáveis qualitativas foram descritas por meio de frequências absolutas e relativas, enquanto as variáveis quantitativas foram descritas sob a forma de médias e desvios-padrao para a posterior realizaçao da análise bivariada.

    A hipótese de que um menor tempo de maturaçao está associado a um menor número de trocas de curativos foi testada utilizando o teste de correlaçao de Spearman. O nível de significância estabelecido foi de 5% (p<0,05).

    Aspectos éticos

    Este estudo foi realizado em total concordância com a Resoluçao 466/12 do Conselho Nacional de Saúde seguindo os preceitos sob os aspectos éticos, bioéticos e científicos das pesquisas envolvendo seres humanos. O projeto foi submetido à análise do Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Infantil Joana de Gusmao, sendo que a pesquisa só foi iniciada após a liberaçao do parecer consubstanciado.

    Em funçao de o estudo ser realizado por meio de coleta de dados de prontuários e consequente impossibilidade de obtençao de um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) de todos os participantes, foi efetivada a justificativa para nao utilizaçao deste e o Termo de Compromisso na Utilizaçao dos Dados (TCUD).

    Foram respeitados os princípios éticos da privacidade, confidencialidade, beneficência, nao maleficência, justiça e autonomia dos dados coletados.

    O presente estudo foi aprovado no CEP-HIJG sob o parecer 038/2013 e registro no CEP 040/2013.


    RESULTADOS

    No período pré-estabelecido, foram analisados 59 prontuários de pacientes que foram submetidos ao curativo de pressao negativa associado à matriz de regeneraçao dérmica na Unidade de Queimados do Hospital Infantil Joana de Gusmao. A maioria dos pacientes era do sexo masculino (62,7%) e a faixa etária de maior prevalência ocorreu entre os pré-puberes (32,2%). As características sociodemográficas da populaçao encontram-se na Tabela 1.




    Na populaçao em estudo, a queimadura e a sequela de queimadura prevalecem entre as indicaçoes de uso da MRD associada à CPN, correspondendo, respectivamente, a 25,4% e 23,7% seguido de trauma (20,3%), conforme a Tabela 2. Dos 59 casos, 14 apresentaram complicaçoes (23,8%), sendo que a mais comum foi o hematoma, seguida de infecçao, de acordo com Tabela 3.






    Em relaçao à pega da matriz, a maioria dos pacientes obteve pega total da matriz em 83,1% e 11,9% obteve pega parcial de 80%. A pega média da populaçao foi de 93,38%. Um paciente necessitou de novo implante com pega parcial e um paciente apresentou perda total da matriz sem novo implante, conforme Tabela 4.




    O tempo médio de maturaçao da matriz de regeneraçao dérmica foi de 14,57 dias, em uma faixa de 12 e 35 dias, com mediana de 14 dias e desvio-padrao de ±3,09 dias. Em relaçao à troca de curativos, obteve-se média de 2,3559 trocas, com uma faixa de 2 a 6 trocas. A mediana foi de 2 trocas, com desviopadrao ±0,86 trocas.

    Foi encontrada uma correlaçao importante entre menor tempo de maturaçao e menor número de trocas de curativo, com índice de Spearman igual 0,773, indicando que a hipótese é verdadeira para quase 80% da amostra (p<0,001), conforme o Gráfico 1.


    Gráfico 1 - Associaçao entre tempo de maturaçao da MRD e número de trocas do CPN.



    DISCUSSAO

    No presente estudo, objetivou-se analisar os resultados obtidos com a associaçao do curativo de pressao negativa e a matriz de regeneraçao dérmica. Para esta avaliaçao, foram abordados aspectos como: sexo, idade, indicaçoes, complicaçoes, tempo de maturaçao da MRD, porcentagem de pega da MRD, número de curativos e resultado final obtido com TPN associada à MRD. Foram aplicadas metodologias que permitiram validar os resultados obtidos.

    O fato de a pesquisa ter sido realizada no Hospital Infantil Joana de Gusmao (HIJG) foi um dos pontos fortes da sua execuçao, pois a Instituiçao é referência ao atendimento de queimados e politraumatizados, além do fato de que os prontuários sao preenchidos de forma completa, sendo um facilitador para coleta de dados. Por outro lado, a seleçao e viés de informaçao sao limitaçoes inerentes a qualquer estudo retrospectivo nao controlado e os dados devem ser interpretados em conformidade. Dentre as limitaçoes, cita-se o fato das variáveis tempo de maturaçao e a porcentagem de pega serem subjetivas, observador-dependentes, podendo estar sub ou superestimadas.

    Ao avaliar os potenciais fatores de risco associados com a duraçao da terapia com CPN e a taxa de reinternaçao hospitalar, Osterhoff et al.29 observaram que a maioria dos casos eram do sexo masculino em uma proporçao 191:70 em relaçao ao feminino. Entretanto, estudos avaliando especificamente a populaçao pediátrica15,22 identificam o predomínio do sexo feminino em 52% e em uma razao 9:7. Conforme estudos anteriores realizados neste serviço30, mantém-se o predomínio do sexo masculino (62,7%), sabidamente o gênero mais acometido nas queimaduras e traumas31.

    Neste estudo, ao analisar as variáveis sociodemográficas dos pacientes,observou-se que a faixa etária de maior prevalência foi entre 10 e 12 anos (32,2%). Gabriel et al.15, ao avaliar uma populaçao pediátrica de 58 pacientes tratados com CPN, descreveram que a maioria dos pacientes se encontravam em média com 10 anos de idade e Butter et al.22, ao avaliar uma populaçao pediátrica no Canadá, relataram que a idade média de pacientes submetidos a CPN foi de 12,1 anos. Contudo, Nery et al.32, ao avaliar 21 pacientes internados no HIJG de janeiro a outubro de 2009 submetidos ao CPN, com uso de MRD em 52,38% dos casos, obtiveram uma média de idade de 7 anos, variando de 7 dias a 13 anos; ainda em outro estudo realizado neste hospital30, ao avaliar a pega da MRD associada ao CPN, verificou-se que a idade mais prevalente foi os pré-púberes, correspondendo a 33,33% do total. Há uma tendência de predomínio de casos nessa faixa etária, pois, geralmente, a MRD é utilizada no tratamento de queimaduras de 3º grau e lesoes com perda de tecidos que, ocasionalmente, ocorrem com maior frequência em crianças maiores que sofreram queimaduras por líquidos inflamáveis. Além disso, o tratamento cirúrgico de sequelas de queimaduras é realizado 2 a 3 anos após a queimadura, para estabilizaçao da cicatriz, portanto, em crianças maiores.

    Quanto à indicaçao do uso da MRD, obteve-se um maior percentual de queimaduras, sequela de queimaduras e trauma, correspondendo, respectivamente, a 25,4%, 23,7% e 20,3% dos casos. Esse percentual deve-se ao fato de o estudo ter sido realizado no Serviço de Cirurgia Pediátrica, referência no atendimento de queimados e crianças traumatizadas, obtendo-se, assim, uma amostra significativa destas afecçoes.

    Ao avaliar o uso de CPN como tratamento intermediário no trauma complexo de extremidade, o Serviço de Cirurgia Plástica e Microcirurgia do Hospital Cristo Redentor Grupo Hospitalar Conceiçao de Porto Alegre-RS elegeu o curativo de pressao negativa como primeira escolha no tratamento de lesoes graves com perda de substância cutânea16.

    Grandes queimados sao um desafio para os profissionais da saúde. Após os desbridamentos, fáscia muscular, ossos, tendoes e articulaçoes frequentemente ficam expostos e nao podem ser cobertos por enxertos autólogos, além de apresentar áreas de pele danificadas limitando as áreas doadoras de pele. Alguns autores15,33 relatam que o uso associado da MRD com CPN é o melhor método para manejo de grandes lesoes de partes moles em extremidades e Gabriel et al.15 ainda o descrevem como um método viável, seguro e eficaz para tratamento de lesoes complexas na populaçao pediátrica.

    No presente trabalho, as indicaçoes para uso da MRD foram similares àquelas citadas na literatura e mantiveram-se as três principais indicaçoes da linha de pesquisa do HIJG, porém, houve um aumento nas indicaçoes de queimaduras, que de 18,51% passou a ser a indicaçao mais prevalente (25,4%), seguida de retraçao cicatricial (23,7%) e trauma (20,3%).

    Em 2009, o Food and Drug Administration (FDA), órgao que fiscaliza as açoes em saúde nos Estados Unidos, relatou seis óbitos e 77 complicaçoes associadas com TPN34. Todos esses óbitos foram relacionados à hemorragia aguda e exposiçao de um vaso sanguíneo. Zonghuanet al.35, em 2014, ao revisar a cerca das complicaçoes da terapia utilizando CPN, listam também infecçao, dor e ruptura cardíaca. Em 2009, uma série com 58 pacientes pediátricos nao constatou nenhum complicaçao15.

    Segundo Maes et al.36, que utilizaram MRD sem o CPN como adjuvante no tratamento, as complicaçoes iniciais mais comuns após o implante foram hematomas (23,68%), infecçao (15,16%), deslocamento da MRD (6,58%) e descolamento da lâmina de silicone (1,38%). Estas complicaçoes foram relacionadas aos já conhecidos problemas especificamente advindos do uso da MRD, e nao associadas ao uso do CPN, semelhante ao descrito por Stiefel et al.27. Ao comparar um grupo de pacientes que apenas utilizou MRD com grupo que associou MRD com CPN, Nogueira et al.37, em 2012, verificaram reduçao no número de complicaçoes no grupo com TPN (11,53%) em relaçao ao grupo controle (16,64%).

    Esta pesquisa observou diminuiçao da taxa de complicaçao de 25,92% para 23,72% em relaçao à casuística anterior ao ampliar o número de casos avaliados sem alterar a razao de complicaçoes30.

    Em relaçao ao tempo de maturaçao da MRD, os pacientes necessitaram de no mínimo de 12 dias e no máximo de 35, com média de 14,57 dias, para observar-se uma neoderme vascularizada. Diversos estudos relatam que a associaçao do CPN com a MRD promove melhora da aderência e vascularizaçao dessa matriz ao leito receptor, levando à diminuiçao do intervalo entre a aplicaçao da matriz e a cirurgia para enxertia de pele.

    Jeschke et al.38, em 2004, descreveram uma reduçao significativa, com base na aparência clínica, no tempo de intervalo entre a aplicaçao da MRD e o enxerto de a partir de 24 dias para 10 dias (p<0,002) ao utilizar CPN e cola de fibrina, além de aumentar a taxa de pega da MRD de 78% no grupo com tratamento convencional para 98% no grupo com CPN e cola de fibrina.

    Alguns autores, ao avaliar os efeitos da TPN sob a MRD in vitro, descrevem uma maior resposta angiogênica39. Entretanto, Moiemen et al.40, em 2010, ao realizar biópsias seriadas em 7, 14, 21 e 28 dias em pacientes que necessitaram de tratamento com MRD e CPN, nao conseguiram demonstrar que a TPN acelera a neovascularizaçao baseada na presença histológica de canais vasculares. Estes canais foram observados somente no final da segunda semana do tratamento, semelhante a estudos anteriores, nos quais nao foi utilizado CPN41.

    Apesar das divergências entre a histologia e a clínica, um estudo realizado no HIJG, ao comparar um grupo de pacientes que só utilizou a MRD com um grupo que utilizou a MRD associada ao CPN, pôde demonstrar uma reduçao no tempo de maturaçao de 21,47 dias para 16,44 no grupo que realizou TCPN37. Essa tendência de maturaçao mais precoce da MRD associada à CPN ficou ainda mais evidente com o aumento da casuística nesse trabalho, obtendo média de 14,57 dias, acarretando para o paciente um retorno antecipado para as atividades diárias e menor custo de internaçao.

    Em 2010, Moiemen et al.40 nao conseguiram provar in vivo que associaçao CPN com MRD aumenta angiogênese, porém, relataram que essa associaçao apresenta entre 95-100% de pega, com média de 98%, similar ao encontrado por Aldunate et al.42 em 2012 na abordagem da contratura em pacientes queimados e Jeschke et al.38 que, ao comparar a associaçao da TPN, MRD e cola de fibrina com um grupo controle de tratamento convencional, observaram aumento em 20% da pega.

    Gabriel et al.15 obtiveram êxito com o uso da TPN 100% de pega tanto da MRD quanto do enxerto. Neste estudo, dividimos a pega em frequências como pega total (100%), pega parcial (80%), pega parcial (50%) e perda MRD. Nossa alta taxa de pega total (83,1%) é similar a outros estudos e mantém os mesmos parâmetros da linha de pesquisa realizada neste serviço.

    Alguns autores mantêm um período fixo para realizar trocas, como a cada 3 ou 5 dias para inspecionar a lesao22,33,42. A literatura recomenda trocas a cada 2 a 3 dias, o que elimina o desconforto das trocas diárias tipicamente utilizadas no curativo convencional. Tanto familiares quanto os pacientes têm apresentado maior satisfaçao com TPN em vista dos curativos tradicionais, pois necessitam de menor número de trocas e menor necessidade de medicaçao para dor15.

    A média deste estudo foi de 2,35 procedimentos, em uma faixa de 2 a 6 trocas realizadas, mantendo a mesma proporçao de pesquisas anteriores. Há uma correlaçao importante entre menor tempo de maturaçao e menor número de trocas para quase 80% da amostra (p<0.001).Todos os nossos casos resultaram em enxerto dermo-epidérmico.


    CONCLUSAO

    O CPN mostrou-se ser benéfico ao tratamento adjunto com a MRD ao acelerar o tempo de maturaçao da matriz para 14,57 dias, aumentar a média de pega para 93,38%, sendo que a pega total correspondeu a 83,1% dos casos, além de diminuir o número de curativos e o tempo de hospitalizaçao, resultando em um retorno mais rápido para as atividades diárias tanto do paciente quanto de seus familiares.


    REFERENCIAS

    1. Sengoelge M, Hasselberg M, Laflamme L. Child home injury mortality in Europe: a 16-country analysis. Eur J Public Health. 2011;21(2):166-70.

    2. Caniano DA, Ruth B, Teich S. Wound management with vacuum-assisted closure: experience in 51 pediatric patients. J Pediatr Surg. 2005;40(1):128-32.

    3. Andrade MNB, Seward R, Melo JRC. Curativos. Rev Méd Minas Gerais.1992;2(4):228-36.

    4. Dealey C. Cuidando de feridas: um guia para as enfermeiras. 2a ed. Sao Paulo: Atheneu; 2001. p.49-65.

    5. Smaniotto PHS,Dalli R, Carvalho VF, Ferreira MC. Tratamento clínico das feridas: curativos. Rev Med (Sao Paulo). 2010;89(3/4):137-41.

    6. Franco D, Gonçalves LF. Feridas cutâneas: a escolha do curativo adequado. Rev Col Bras Cir. 2008;35(3):203-6.

    7. Argenta LC, Morykwas MJ. Vacuum-assisted closure: a new method for wound control and treatment: clinical experience. Ann Plast Surg. 1997;38(6):563-76.

    8. Morykwas MJ, Argenta LC, Shelton-Brown EI, McGuirt W. Vacuum-assisted closure: a new method for wound control and treatment: animal studies and basic foundation. Ann Plast Surg. 1997;38(6):553-62.

    9. Hartnett JM. Use of vacuum-assisted wound closure in three chronic wounds. J Wound Ostomy Continence Nurs. 1998;25(6):281-90.

    10. ECRI Institute. Negative Pressure Wound Therapy Devices: Technology Assessment Report; 2009 [Acesso 9 de maio de 2014]. Disponível em: http://www.ahrq.gov/research/findings/ta/negative-pressure-wound-therapy/index.html

    11. Isago T, Nozaki M, Kikuchi Y, Honda T, Nakazawa H. Effects of different negative pressures on reduction of wounds in negative pressure dressings. J Dermatol. 2003;30(8):596-601.

    12. Orgill DP, Manders EK, Sumpio BE, Lee RC, Attinger CE, Gurtner GC, et al. The mechanisms of action of vacuum assisted closure: more to learn. Surgery. 2009;146(1):40-51.

    13. Fries CA, Jeffery SL, Kay AR. Topical negative pressure and military wounds--a review of the evidence. Injury. 2011;42(5):436-40.

    14. Clare MP, Fitzgibbons TC, McMullen ST, Stice RC, Hayes DF, Henkel L. Experience with the vacuum assisted closure negative pressure technique in the treatment of non-healing diabetic and dysvascular wounds. Foot Ankle Int. 2002;23(10):896-901.

    15. Gabriel A, Heinrich C, Shores J, Cho D, Baqai W, Moores D, et al. Outcomes of vacuum-assisted closure for the treatment of wounds in a paediatric population: case series of 58 patients.J Plast Reconstr Aesthet Surg. 2009;62(11):1428-36.

    16. Franciosi LFN, Lucas LS, Vieira VRS, Castan MR, Souza MRP. O uso de curativos a vácuo como tratamento intermediário no traumacomplexo de extremidade: experiência clínica e padronizaçao da técnica. Arq Catarin Med. 2010;39(2):56-60.

    17. Streubel PN, Stinner DJ, Obremskey WT. Use of negative-pressure wound therapy in orthopaedic trauma. J Am Acad Orthop Surg. 2012;20(9):564-74.

    18. Vaienti L, Gazzola R, Benanti E, Leone F, Marchesi A, Parodi PC, et al. Failure by congestion of pedicled and free flaps for reconstruction of lower limbs after trauma: the role of negative-pressure wound therapy. J OrthopTraumatol. 2013;14(3):213-7.

    19. Kasai Y, Nemoto H, Kimura N, Ito Y, Sumiya N. Application of low-pressurenegative pressure wound therapy to ischaemicwounds. J Plast Reconstr Aesthet Surg. 2012;65(3):395-8.

    20. Stoffan AP, Ricca R, Lien C, Quigley S, Linden BC. Use of negative pressure wound therapy for abdominal wounds in neonates and infants. J Pediatr Surg. 2012;47(8):1555-9.

    21. Schintler M, Marschitz I, Trop M. The use of topical negative pressure in a paediatric patient with extensive burns. Burns. 2005;31(8):1050-3.

    22. Bütter A, Emran M, Al-Jazaeri A, Ouimet A. Vacuum-assisted closure for wound management in the pediatric population. J Pediatr Surg. 2006;41(5):940-2.

    23. Wunderlich BL, Marcolla B, Souza JA, Araujo EJ, Feijó R, Pereima MJL. Curativo com pressao negativa e matriz de regeneraçao dérmica: uma nova opçao de tratamento para feridas extensas. Rev Bras Queimaduras. 2011;10(3):78-84.

    24. Balasubramani M, Kumar TR, Babu M. Skinsubstitutes: a review. Burns. 2001;27(5):534-44.

    25. Pu LL. An alternative approach for soft-tissue coverage of a complex wound in the foot and ankle with vacuum-assisted closure over artificial dermis and subsequent skin graft. J Plast Reconstr Aesthet Surg. 2009;62(12):e682-4.

    26. Psoinos CM, Ignotz RA, Lalikos JF, Fudem G, Savoie P, Dunn RM. Use of gauze-based negative pressure wound therapy in a pediatric burn patient. J Pediatr Surg. 2009;44(12):e23-6.

    27. Stiefel D, Schiestl CM, Meuli M. The positive effect of negative pressure: vacuum-assisted fixation of Integra artificial skin for reconstructive surgery. J Pediatr Surg. 2009;44(3):575-80.

    28. Hospital Infantil Joana de Gusmao. [Acesso 14 de maio de 2014]. Disponível em: http://www.saude.sc.gov.br/hijg/

    29. Osterhoff G, Zwolak P, Krüger C, Wilzeck V, Simmen HP, Jukema GN. Risk factors for prolonged treatment and hospital readmission in 280 cases of negative-pressure wound therapy. J Plast Reconstr Aesthet Surg. 2014;67(5):629-33.

    30. Pereima MJL, Goulart BC, Pereima RR, Feijó R, Freitas JL. Diminuiçao do tempo de maturaçao de matrizes de regeneraçao dérmica quando associados a uso de curativos de pressao negativa. Rev Bras Queimaduras. 2013;12(3):145-52.

    31. Machado THS, Lobo JA, Pimentel PCM, Serra MCVF. Estudo epidemiológico das crianças queimadas de 0-15 anos atendidas no Hospital Geral do Andaraí, durante o período de 1997 a 2007. Rev Bras Queimaduras. 2009;8(1):3-9.

    32. Nery LFC. Análise da utilizaçao dos curativos sob pressao negativa no Hospital Infantil Joana de Gusmao no ano de 2009. [Trabalho de conclusao de curso]. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina, Faculdade de Medicina; 2009.p.25.

    33. González Alaña I, Torrero López JV, Martín Playá P, GabilondoZubizarreta FJ. Combined use of negative pressure wound therapy and Integrar to treat complex defects in lower extremities after burns. Ann Burns Fire Disasters. 2013;26(2):90-3.

    34. Food and Drugs Administration. Serious complications associated with negative pressure wound therapy systems. 2009. [Acesso 6 de maio de 2014]. Disponível em: www.fda.gov/

    35. Li Z, Yu A. Complications of negative pressure wound therapy: a minireview. Wound Repair Regen. 2014;22(4):457-61.

    36. Maes NB, Manara LM, Feijó R, Araujo EJ, Souza JA, Pereima MJL. Uso de matriz de regeneraçao dérmica em pacientes vítimas de queimaduras em hospital infantil de referência de Santa Catarina: nove anos de experiência. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(1):6-14.

    37. Nogueira DS. Curativo com pressao negativa e matriz de regeneraçao dérmica: uma nova opçao de tratamento para queimaduras. [Trabalho de conclusao de curso]. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina, Faculdade de Medicina; 2012.

    38. Jeschke MG, Rose C, Angele P, Füchtmeier B, Nerlich MN, Bolder U. Development of new reconstructive techniques: use of Integra in combination with fibrin glue and negative-pressure therapy for reconstruction of acute and chronic wounds. Plast Reconstr Surg. 2004;113(2):525-30.

    39. Potter MJ, Banwell P, Baldwin C, Clayton E, Irvine L, Linge C, et al. In vitro optimisation of topical negative pressure regimens for angiogenesis into synthetic dermal replacements. Burns. 2008;34(2):164-74.

    40. Moiemen NS, Yarrow J, Kamel D, Kearns D, Mendonça D. Topical negative pressure therapy: does it accelerate neovascularisation within the dermal regeneration template, Integra? A prospective histological in vivo study. Burns.2010;36(6):764-8.

    41. Moiemen NS, Staiano JJ, Ojeh NO, Thway Y, Frame JD. Reconstructive surgery with a dermal regeneration template: clinical and histologic study. Plast Reconstr Surg. 2001;108(1):93-103.

    42. Aldunate JLCB, Vana LPM, Fontana C, Ferreira MC. Uso de matriz dérmica associado ao curativo por pressao negativa na abordagem da contratura em pacientes queimados. Rev Bras Cir Plást. 2012;27(3):369-73.










    1. Médica da Unidade de Pronto Atendimento da Prefeitura Municipal de Araranguá, SC, Araranguá, SC, Brasil
    2. Médico Residente do programa de Residência Médica em Cirurgia Pediátrica do Hospital Infantil Joana de Gusmao, Florianópolis, SC, Brasil
    3. Cirurgiao Pediatra do Serviço de Cirurgia Pediátrica e da Unidade de Queimados do Hospital Infantil Joana de Gusmao, Florianópolis, SC, Brasil
    4. Cirurgiao Pediatra e Chefe da Unidade de Queimados do Hospital Infantil Joana de Gusmao. Professor Associado IV do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

    Correspondência:
    Maurício José Lopes Pereima
    Rua Rui Barbosa, 152 - Agronômica
    Florianópolis, SC, Brasil - CEP: 88025-301
    E-mail: mauriciopereima@hotmail.com

    Artigo recebido: 5/8/2014
    Artigo aceito: 26/9/2014

    Trabalho realizado na Unidade de Queimados do Hospital Infantil Joana de Gusmao, Florianópolis, SC, Brasil.
    Trabalho de Conclusao de Curso realizado no curso de graduaçao em medicina da Universidade do Sul de Santa Catarina.

    © 2021 Todos os Direitos Reservados